Timber by EMSIEN-3 LTD
Segunda, 09 Janeiro 2012 10:41

Consciência nacional 18.11.2003

Consciência nacional 18.Nov.2003 | José C. Manhabusco*

É com uma dose de otimismo que inicio este pensamento. Muitas vezes ouvimos dizer que o povo é o culpado pela escolha de seus dirigentes, naturalmente quando tratamos do Poder Legislativo. Nos outros Poderes a participação popular é quase nula, pois não têm acesso ao processo de escolha, ficando dependendo da manifestação das instituições e órgãos representativos.

Jamais duvidamos que os Poderes da República devam ser independentes. A atuação dos mesmos é de maneira harmoniosa, porém cada qual possui uma estrutura funcional e um comando único. Essa independência ajuda até na eventual fiscalização entre eles, mesmo sabendo que este não é o seu objetivo.

Na semana passada o povo brasileiro foi brindado com uma pesquisa realizada a pedido da Ordem dos Advogados do Brasil, cuja finalidade era aquilatar o grau de confiança da população nas instituições.

Para surpresa de todos o Poder Judiciário ficou na 6ª colocação, atrás da Igreja, do Presidente da República, da Imprensa, da Advocacia e do Ministério Público. Coincidentemente a imprensa, o rádio e a televisão divulgavam o envolvimento de um Juiz Federal da Justiça Federal de São Paulo com procedimentos não convencionais, cujas investigações caminharam no sentido da existência de verdadeira quadrilha entre o juiz e alguns policiais federais.

Da mesma forma noticiaram o caso de um desembargador e sua mulher, também juíza, atuando em Brasília, suspeitos de vender sentenças.

Vejam como o povo não é mais aquele. É claro que toda regra tem sua exceção, bem como em toda profissão podem existir os maus e os bons profissionais. A verdade é que o fato aparece e às vezes se torna público.

A instituição "Poder Judiciário" não passa por bons momentos, e isso é ruim para todos nós, sem dúvida. Ninguém quer ver o descrédito da justiça, pois dependemos da prestação jurisdicional, bem assim da segurança jurídica na aplicação da lei. Contudo, fica o alerta para os seus dirigentes de que há que se fazer alguma coisa o mais rápido possível, sob pena de comprometermos o estado de Direito.

A população confia no Poder Judiciário, mas a pesquisa mostra a realidade atual, na medida em que deveria estar em melhor posição para o bem de todos. A REFORMA DO JUDICÁRIO É UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA.

*Advogado e conselheiro Estadual da OAB/MS. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Entre em Contato

Advogados Associados
Rua Montese, n. 320 – Jardim Hilda
esquina com Rua Monte Castelo
Dourados-MS - CEP: 79814-540
Tel.: (67) 3421-2123
E-mail: manhabusco@yahoo.com.br